O Presidente da Câmara de Lisboa está claramente desorientado.

Depois de ter vindo a público pedir a demissão das chefias responsáveis pela gestão da pandemia (nas quais se inclui), vem agora reconhecer o falhanço das políticas de habitação pelas quais é responsável e que tanto jeito deram na sua projeção política quando equilibrava as contas da Câmara, às custa do IMT.

É fácil consultar a posição do PSD desde que me tornei líder da bancada municipal na questão do alojamento local. Desde sempre defendemos a iniciativa privada com a salvaguarda de que isso não podia vir em prejuízo da habitabilidade da cidade.

A contrastar com a nossa coerência está o desnorte de um Presidente que parece sempre um peixe fora de água. Que promete 6000 casas num mandato e que não consegue arranjar nem uma. Que incentiva o alojamento local de forma descontrolada e desequilibrada no território enquanto lhe é politicamente expediente, mas depois quando o cinto tem de ser apertado se posiciona para espoliar pequenos empresários quando eles estão no seu momento mais frágil.

Fernando Medina tem dificuldade em perceber que é Presidente de todos os Lisboetas e não só dos que votam nele. Não pode diabolizar aqueles que investem na reabilitação da cidade e precisam do alojamento para garantir o rendimento das suas famílias só porque não planeia e não consegue cumprir promessas eleitorais.

O Presidente da Câmara Municipal não percebeu a dica que enviou ao próprio a semana passada. Esta semana usa de novo o seu espaço de comentário para testar soundbites irresponsáveis para campanha interna do PS, deixando sempre os interesses dos Lisboetas para segundo plano na altura em que mais precisam de liderança séria e responsável.

A semana passada sugeria que se ouvisse a si próprio, que fosse consequente e que saísse.

Esta semana peço-lhe de novo que ouça o que diz e pense no que fez. Que se lembre quando dizia que a cidade precisava era de se preparar para mais turistas e tornava a cidade inabitável. De quando espremia os lucros do Airbnb aos pequenos empresários para aumentar a receita da Câmara. Pense se faz sentido depois de todo este discurso desregulador (a que o PSD se opôs) nesta altura de catástrofe económica e destruição dos rendimentos das famílias estar a ir para a televisão reverter radicalmente o rumo e debitar o programa do Bloco de Esquerda.

Era bom que se concentrasse em servir quem governa em vez de andar a ultrapassar o Ministro Pedro Nuno Santos pela esquerda.